UPPs do Rio estão forçando a migração dos bandidos para as nossas cidades

0 1
criminalidade_1
Foto: Web

Especialistas e autoridades, apontam o crescimento desordenado e aumento da criminalidade em Macaé, na década de 80, como um modelo para se evitar problemas nas cidades do CONLESTE (Magé, Maricá, Guapimirim, Cachoeiras de Macacu, Silva Jardim, Casimiro de Abreu, Araruama, Rio Bonito, Tanguá, Itaboraí, São Gonçalo, Niterói e Teresópolis).

Alguns anos depois do início das obras do Comperj, um estudo do Instituto de Segurança Pública (ISP) apontou na cidade e Região Metropolitana uma taxa de homicídios de 44 por 100 mil habitantes, ou seja, bem acima da média estadual de 29,8.

“Sem ações governamentais a tendência é o caos! Haverá favelização, aumento da violência, prostituição, roubos, furtos e consumo de drogas e álcool. Basta olhar para Macaé e comparar”, Disse Marcio Moura, Sociólogo .

Já os urbanistas Edson Marques e Afonso Melo, a falta de projetos a longo prazo resultará em problemas de saneamento básico e abastecimentos de água e energia.

No meio do ‘boom’ demográfico, a população reclama. Segundo moradores da região, o aumento dos casos de estupro estariam relacionados à má iluminação urbana. “Já encaminhamos ofícios, mas a Prefeitura não faz nada”,  reclama a Sra. Adelaide Souza, moradora de Itaboraí.

Segundo o especialista em segurança pública Dr. Jeovani Santos, é fundamental que sejam realizadas ações integradas entre os governos federal, estadual e municipal. E ainda, segundo o mesmo, o aumento da criminalidade na região está associada também ao forte investimento que o governo estadual tem feito na cidade do Rio com a implantação das UPPs, o que tem provocado a migração dos bandidos e marginais para as cidades da região.

Leave A Reply

Your email address will not be published.