Bannon abre conversas com painel em 6 de janeiro sobre testemunhar no ataque ao Capitólio Política dos EUA

Steve Bannon, uma vez um estrategista Donald Trump A Câmara iniciou discussões com um comitê seleto em 6 de janeiro sobre os esforços do ex-presidente para invalidar sua derrota nas eleições de 2020, testemunhando um inquérito sobre o ataque ao Capitólio.

Percorrer Pannon Isso dá ao seleto comitê uma oportunidade importante de obter informações sobre o funcionamento interno do esforço ilegal de Trump para reter o certificado de vitória de Joe Biden, uma jogada final poucos dias antes de ele ir a julgamento por desacato ao Congresso.

Bannon primeiro sinalizou o comitê seleto em um e-mail Recuperado do GuardiãoTrump disse em uma carta que estava disposto a iniciar discussões sobre um horário e local para uma entrevista e que renunciaria ao privilégio executivo se pudesse chegar a um acordo para testemunhar.

Na época, o e-mail enfatizou amplamente a defesa legal de Bannon de que ele não poderia cumprir a intimação do comitê porque o ex-presidente havia afirmado privilégio executivo sobre seu testemunho, em uma reivindicação contenciosa.

Mas se Bannon e o comitê seleto puderem chegar a um acordo, o e-mail dizia que Bannon está em posição de iniciar negociações sobre uma possível entrevista, já que Trump agora está disposto a renunciar ao privilégio executivo. Citando a carta Do ex-presidente.

O e-mail dizia especificamente que era a escolha de Bannon para testemunhar na audiência pública, mas entende-se que Bannon consideraria uma entrevista transcrita a portas fechadas e que ele quer cumprir os pedidos de documentos em sua intimação no ano passado.

Os argumentos de privilégio executivo apresentados por Bannon e seus advogados são questionáveis ​​porque pelo menos parte do que o comitê seleto buscou em sua intimação não estava relacionado a Trump e, portanto, não estava sob proteção.

READ  Invista em um jornal ousado e progressivo

Enquanto Bannon apontou para uma carta do advogado de Trump, Justin Clarke, como prova de que o ex-presidente afirmou autoridade executiva, o e-mail de acompanhamento de Clarke mostrou a equipe jurídica de Trump. Obviamente não pensava assim Bannon tinha “imunidade” de investigação.

O advogado de Bannon, Robert Costello, disse em entrevista ao FBI e à Procuradoria dos EUA em Washington, DC, que acreditava que dez dos 17 itens solicitados na intimação estavam sujeitos à autoridade executiva e omitiu sete que não estavam.

Os sete itens restantes que Costello identificou como não protegidos incluíam discussões que, segundo ele, eram protegidas pelo privilégio advogado-cliente – embora, como não-advogados participaram, esse privilégio teria sido “violado” por material de domínio público, incluindo podcasts.

Como Costello forçou Bannon a produzir material privilegiado e não privilegiado, Bannon deveria ter pelo menos produzido o material não privilegiado em vez de ignorar completamente sua intimação.

Ainda assim, Bannon argumentou que o privilégio executivo estava no centro da inconsistência de sua intimação original, dizendo que ele não precisava ser um funcionário da Casa Branca – o que ele não era em 6 de janeiro – para ser um sujeito “próximo conselheiro presidencial”. ao executivo. Oferta.

Embora o Tribunal do Circuito de DC tenha afirmado que a renúncia do atual presidente ao privilégio executivo antecipa a reivindicação do ex-presidente, ele também argumentou que Biden nunca renunciou formalmente à reivindicação de Trump. Na verdade, o Comitê Seleto não acredita que Trump tenha insistido nisso em primeiro lugar.

Falando no Estado da União da CNN no domingo, o membro do comitê de 6 de janeiro e congressista Jo Lofgren disse que esperava que o comitê agendasse uma entrevista com Bannon.

READ  2022 MLB Field of Dreams Game: Quatro coisas para saber com Cubs e Reds se encontrarão em Iowa

“Espero que tenhamos notícias dele”, disse Lofgren. “E ele tem tantas perguntas.”

A extensão ou o alcance do potencial testemunho de Bannon no domingo não é claro, embora ele tenha sido testemunha de vários momentos importantes no esforço ilegal de 6 de janeiro para bloquear o certificado de vitória de Biden.

Isso significa que Bannon poderia, em teoria, revelar aos investigadores da Câmara sobre suas conversas com Trump antes do ataque ao Capitólio – Bannon falou com Trump ao telefone na noite anterior – e Trump mantém discussões estratégicas na “sala de guerra”. no Willard Hotel em Washington.

Trump em Willard foi fundamental no esforço do ex-presidente para acabar com a certificação de “sala de guerra”. Bannon, amplamente visto como os arquitetos do plano, estava lá nos dias que antecederam o ataque, junto com os advogados de Trump John Eastman e Rudy Giuliani.

A oferta de Bannon para testemunhar parece ser uma jogada estratégica antes de seu julgamento por desacato criminal ao Congresso, que está programado para começar em 18 de julho. Departamento de Justiça Os promotores o acusaram de se recusar a cumprir a intimação do Comitê Seleto no ano passado.

O ato de testemunhar agora ao painel não “curará” seu desprezo porque ele enfrenta desacato criminal e foi processado por não cumprir intimações no passado, de acordo com a ex-procuradora dos EUA Joyce Vance.

Mas um e-mail para testemunhar pode ter o efeito de uma oferta Fortalece sua proteção legal Na verdade, Trump afirmou uma reivindicação legítima de privilégio executivo em outubro de 2021 e disse em uma carta no sábado que não poderia ser processado por causa dessa invocação.

READ  Anúncios ao vivo: a guerra da Rússia na Ucrânia

A perspectiva de testemunhar – e um acordo real de que ele compareceria a um comitê seleto – também poderia prejudicar a acusação até certo ponto, tornando-a menos atraente para o judiciário e menos atraente para os jurados em geral.

Apesar do que Trump diz agora em sua carta, ao nomear Bannon para acusação, a comissão disse que Trump não afirmou privilégio executivo – e mesmo que o fizesse, não cobria o tempo de Bannon fora da Casa Branca de Trump. Até 6 de janeiro.

O comitê seleto também disse que Bannon teria que responder à intimação de alguma forma, por exemplo, citando a ordem executiva pergunta por pergunta, pelo menos respondendo a perguntas que não têm nada a ver com Trump.

Bannon tornou-se um dos dois ex-assessores de Trump acusados ​​pelo Departamento de Justiça de desrespeitar o Congresso. promotores federais Ele também acusou Peter Navarro Mas o ex-chefe de gabinete da Casa Branca Mark Meadows e o vice-presidente Dan Scavino se recusaram a processar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.